19
Nov 10

 

 

 

O primeiro-ministro, José Sócrates, e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, debatem hoje as relações económicas bilaterais, com destaque para as energias renováveis e a crise internacional financeira, e o processo de reforma da NATO.

r às 17:09

22
Mar 10

GRANDE VITÓRIA POLÍTICA DE OBAMA...

 

O Congresso norte-americano conseguiu aprovar a reforma do sistema de saúde proposta pelo presidente Barack Obama, com 219 votos a favor (mais três que os 216 necessários) e 212 contra.

«Esta noite superámos o peso da política, quando todos os especialistas afirmavam que isso não seria possível», disse Obama após a votação, citado pela TSF. O texto segue, agora, para a Casa Branca, onde será promulgado pelo presidente.

O Congresso pode, ainda, operar algumas alterações ao projecto-lei desejadas pela maioria democrata. A proposta será, de seguida, enviada para o Senado que a deverá aprovar na próxima semana.

A reforma proposta por Barack Obama pretende que o sistema de saúde público cubra cerca de 95 por cento da população norte-americana até aos 65 anos, visto que os mais idosos já estão cobertos por um sistema de saúde público. Os empregadores passam a ter de pagar um seguro de saúde para os seus funcionários, para o qual terão benefícios fiscais. Já as seguradoras não poderão voltar a recusar uma apólice a doentes crónicos.

r às 10:22

11
Dez 09

 

 O discurso de guerra do Nobel da Paz

r às 11:24

r às 11:14
tags: ,

09
Nov 09
A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou a proposta de reforma do sistema de saúde, que prevê o alargamento da cobertura médica a quase toda a população norte-americana.

Pouco depois, o Presidente Barack Obama saudou a votação histórica da Câmara e disse estar "absolutamente confiante" quanto ao resultado da próxima votação no Senado. Numa visita ao Capitólio, horas antes da votação, o Presidente descrevera esta reforma como uma oportunidade que aparece “talvez uma vez por geração”.

A Câmara dos Representantes aprovou o texto de duas mil páginas por 220 votos contra 215, depois de doze horas de debates. A proposta recebeu o apoio de 219 democratas e de um republicano - Joseph Cao, de Nova Orleães. Opuseram-se 176 republicanos e 39 democratas.

"Este projecto dá-vos e aos vossos médicos o controlo da vossa saúde. As companhias de seguros deixaram de estar no vosso caminho", declarou Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes. Este projecto de lei vai permitir a 36 milhões de americanos ter uma cobertura médica.

Para garantir a da adopção da proposta, a Câmara adoptou antes uma emenda avançada por um grupo de democratas anti-aborto que visa reforçar a proibição do uso de dinheiros públicos para realizar interrupções de gravidez, excepto em casos de violação, incesto ou quando a vida da mãe está em perigo.

O Senado tem agora de votar a sua própria proposta e depois as duas terão de ser fundidas antes que esta reforma se possa transformar em lei. Obama espera promulgar a lei "até ao final do ano". No total, 96 por cento dos norte-americanos passarão a estar cobertos no plano de saúde democrata.

r às 12:45

04
Nov 09

 

Um ano após a vitória eleitoral, Barack Obama lida com um país cheio de problemas. A esperança dos americanos esvaneceu-se um pouco. Será que ele pode mesmo?

 

 

 

 

Veja o balanço de um ano de Barack Obama na Casa Branca (clique na imagem para ver o documento em formato PDF)

r às 12:29

02
Jul 09
FOTO DO DIA
 
 
Após o inqualificável gesto de Manuel Pinho, em plena Assembleia da República, este pediu a demissão e José Sócrates aceitou substituir o Ministro da Economia;
 
No debate Parlamentar do Estado da Nação José Sócrates anunciou/prometeu 20 milhões de euros para requalificação de urgências e Centros de Saúde e mais 115 Milhões para a construção de novos equipamentos sociais.
 
Manuel Vilarinho, Presidente da Mesa da Assembleia-geral do Benfica, confirma eleições no clube amanhã dia 3 de Julho, com as duas listas em disputa – Lista A de Luís Filipe Vieira e Lista B de Bruno Carvalho.
 
Barack Obama cumpre o prometido na Campanha Eleitoral e lança mega operação militar no Afeganistão.
 
Casos de Gripe A em Portugal passam agora a 27, após confirmação da Srª. Ministra da Saúde.
 
r às 22:27

04
Jun 09

 

O Presidente norte-americano, Barack Obama, disse hoje ter ido "procurar" ao Cairo um "novo começo entre os muçulmanos e os Estados Unidos", considerando que o "ciclo de desconfiança e de discórdia deve acabar".
 
"Enquanto as nossas relações forem definidas pelas nossas diferenças, daremos poder àqueles que semeiam o ódio em vez da paz, àqueles que promovem o conflito em vez da cooperação", declarou na Universidade do Cairo.
 
"O ciclo de desconfiança e de discórdia deve acabar", disse. "Vim procurar um novo começo entre os Estados Unidos e os muçulmanos através do mundo, um começo fundado no interesse mútuo e no respeito mútuo, um começo fundado nesta verdade de que a América e o Islão não se excluem", adiantou.
 
Obama disse que as acções de extremistas muçulmanos violentos são "irreconciliáveis com os direitos dos seres humanos" e citou o Alcorão para reforçar tal ponto de vista.
 
"O Islão não é parte do problema no combate ao extremismo violento - é uma parte importante para a promoção da paz", declarou.
 
Obama iniciou a sua mini-digressão ao Médio Oriente pela Arábia Saudita e, no Egipto, já esteve reunido com o Presidente Hosni Mubarak.
 
Afeganistão, Iraque e Israel

Obama falou ainda das guerras no Afeganistão, uma guerra de necessidade e não de escolha, e da guerra do Iraque, uma guerra escolhida.

Em relação ao conflito israelo-palestiniano, Obama tanto referiu a ligação inquebrável entre EUA e Israel como sublinhou que o seu direito a existir está “enraizado numa perseguição que não pode ser negada” como afirmou também que é inegável “o sofrimento dos palestinianos, as humilhações diárias que vêm com a ocupação”. Obama repetiu que a única solução aceitável são dois estados. Aos palestinianos recordou, nomeando o Hamas, a responsabilidade de reconhecer acordos passados e a existência de Israel; aos israelitas afirmou que a continuação da expansão dos colonatos não é aceitável para os EUA.

Quanto às armas nucleares, Obama referiu o contencioso entre o Irão e os EUA, lembrando que os EUA derrubaram um “líder democraticamente eleito no país” – não se esquecendo de referir, claro, as acções iranianas contra os EUA. Mas com a nova abertura americana, o Irão que se definiu durante muitos anos pela sua oposição à América deveria definir-se agora não pelo que está contra, mas pelo futuro que quer.

Quanto ao nuclear, os países têm direito a programas nucleares pacíficos “desde que sigam as regras do Tratado de Não Proliferação”.
Algumas reacções ao discurso de Obama aos muçulmanos:

"O Governo israelita exprime a sua esperança de que o discurso do Presidente Obama no Cairo conduza de facto a uma nova reconciliação entre o mundo árabe-muçulmano e Israel. Israel quer a paz e fará tudo o que está ao seu alcance para alargar o ciclo da paz tendo sempre em consideração o seu interesse nacional e em primeiro lugar a sua segurança."

Comunicado da presidência do Conselho de Ministros de Israel

"Esta mensagem directa, séria e corajosa do Presidente Obama ao mundo islâmico constitui um encorajamento aos elementos moderados que aspiram à paz"

Comunicado do ministro israelita da Defesa, Ehud Barak

“As nossas relações com os americanos são baseadas na amizade e não na submissão. Na questão do crescimento natural dos colonatos, é preciso dizer aos americanos que não passem os limites”

Daniel Herschkowitz, ninistro das Ciências e líder do partido religioso nacionalista Casa Judaica

“O discurso de Obama é mais uma prova de que Netanyahu não percebeu bem a política dos Estados Unidos. A política dos EUA é igual à do Kadima, e é uma infelicidade que Netanyahu não seja capaz de aceitar a ideia de dois estados por razões políticas”

Ze’ev Boim, deputado do Kadima, na oposição em Israel

“Há muitas contradições, mas reflecte uma mudança tangível. (...) Uma das contradições reside no facto de ele ter dito que o Hamas é apoiado pelo povo palestiniano mas não apelou ao respeito da legitimidade do Hamas que ofi democraticamente eleito”

Fawzi Barhoum, porta-voz do Hamas

“O discurso de Obama é um bom começo e um passo importante endirecção a uma nova política americana. O seu apelo ao fim dos colonatos e pelo estabelecimento de um Estado palestiniano, e a sua referência ao sofrimento dos palestinianos (...) é uma mensagem clara para Israel de que uma paz justa pode ser construída com base num Estado palestiniano com Jerusalém como capital”

Nabil Abu Rudeina, porta-voz da Autoridade Palestiniana

“O discurso foi histórico e importante e reflecte uma direcção positiva da nova administração. É um novo começo.(...) O uso de citações do Corão foi um passo importante (...) O Governo do Iraque está confortável com a clareza com que o Presidente em relação aos compromissos e o calendário de retirada das tropas”

Ali al-Dabbagh, porta-voz do Governo iraquiano

“Foi um discurso notável, um discurso que sem qualquer dúvida vai ser uma nova página nas relações com o mundo árabe e muçulmano e espero que nos probelmas que temos em vários locais na região”

Javier Solana, alto-representante da UE para a Política Externa

“A América está a adoptar pela primeira vez uma estratégia muito sensata de reconhecimento do outro e isso foi claro em cada palavra escolhida pelo Presidente Obama”

Randa Achmawi, editor diplomático do jornal egípcio Al-Ahram

“A mensagem de reconciliação e novo começo será bem recebida. Se terá sucesso em fazer uma ponte, isso levará tempo a saber”

Khalid al-Dakhil, analista político saudita

“O mundo islâmico não precisa de sermões morais ou políticos”

Hassan Fadlallah, deputado do movimento xiita libanês Hezbollah

“[Obama] pode fazer mais alguns discursosm mas as pessoas vão começar a perguntar: o que é que vai mudar?”

Mohammad Marandi, chefe dos estudos norte-americanos da Universidade de Teerão

“O ponto mais forte foi provavelmente de que a situação dos palestinianos é intolerável. (...) Acho que vai conseguir gerar boa vontade”

Issandr al-Amrani, analista egípcio

Fontes: Reuters, AFP, "Ha’aretz"

 

MAIS SOBRE O ASSUNTO AQUI, AQUI E AQUI
r às 18:13

22
Mai 09

 

Um artista criou uma tela em que o rosto de Barack Obama surgia sobre os corpos nus de 12 pessoas. O argumento que justifica esta obra de arte é que Obama é mais do que um presidente. É um movimento.

 

O quadro do presidente dos Estados Unidos aparece em Berlim, com o Parlamento alemão por trás. Doze corpos formam a tela do artista corporal suíço Dave, que quer mostrar a obra de Barack Obama por todo o mundo.

 

r às 17:04

07
Mai 09

A 14 de Abril, o Presidente Barack Obama proferiu um discurso na Universidade de Georgetown, em que procurou explicar por que estava a concentrar-se em tantos assuntos económicos. Argumentando que os Estados Unidos precisavam de quebrar o ciclo da bolha, citou o Novo Testamento quando apelou a uma nova fundação económica para a nação: seria construída com base em melhores escolas, mais saúde e um mercado financeiro mais regulado. Nessa mesma tarde, sentei-me com o Presidente para discutir a forma como a sua agenda poderia alterar o dia-a-dia do país.

Esta foi a nossa terceira entrevista sobre economia, as primeiras duas ocorreram durante a campanha. O cenário foi decididamente mais formal, desta vez - a Sala Oval -, mas a conversa decorreu num clima idêntico às outras. Sentámo-nos ao fundo da sala do lado oposto à sua secretária e falámos durante 50 minutos. Nenhum dos seus conselheiros económicos estava presente. No fim da conversa, perguntei se estava a ler algum livro interessante. Respondeu que se tinha cansado tanto de resumir livros que começara a ler o romance Netherland, de Joseph O'Neill.

As pessoas que querem saber o que pensa sobre educação, emprego e todo o género de outros assuntos conseguem ter uma boa ideia do seu pensamento ao ler "The Audacity of Hope". Mas não há um capítulo que revele o que pensa sobre Finanças. Qual a sua visão na economia do futuro

Em primeiro lugar, penso que devíamos distinguir entre finanças como sangue da nossa economia e finanças como uma indústria importante onde temos uma vantagem comparativa. Em termos de puro crescimento da nossa economia, temos de ter crédito suficiente para financiar negócios, grandes e pequenos, e permitir aos consumidores a flexibilidade para fazerem compras a longo prazo, como carros ou casas. Isso não vai mudar. Não basta termos um sector bancário saudável. Temos também de perceber o que fazer ao sector não-bancário - que garantia quase metade do nosso crédito - e determinar se, na consequência de algumas medidas da Reserva Federal (Fed) e do Tesouro, conseguimos restaurar o mercado das securitizações.

Estou optimista e penso que acabaremos por conseguir recuperar essa parte do sector financeiro, mas a confiança vai demorar a reconquistar.

O que tem de mudar - e que foi uma aberração - é uma realidade em que os lucros no sector financeiro representam uma fatia tão grande dos lucros totais na última década. Isso vai mudar, também como consequência da regulação, que impedirá a tomada de riscos generalizada. É importante percebermos que parte da riqueza era pura ilusão.

Então não teremos saudades dela?

Teremos, no sentido em que havia jovens de 25 anos com bónus de milhões, dispostos a pagar cem dólares (75 euros) por um bife e a dar gorjetas que fariam morrer de inveja qualquer professor universitário. Parte dessa dinâmica do sector financeiro sofrerá uma contracção para as classes mais baixas - sobretudo num sítio como Manhattan. Mas houve sempre um sentimento de insustentabilidade sobre o que vinha acontecendo em Wall Street nos últimos dez a 15 anos. Wall Street continuará a representar uma parte muito importante da nossa economia, como nos anos 70 e 80. Apenas não voltará a representar metade da nossa economia. E isso significa que mais talento e recursos serão desviados para outros sectores da Economia - o que é muito bom. Assistiremos a mudanças, mas penso que não perderemos o melhor da transparência, da abertura e da confiança dos nossos mercados. Uma maior regulação vai ajudar a restabelecer a confiança e ainda muitos capitais globais vão querer fixar-se nos EUA.

Houve um grande debate entre os conselheiros de Franklin Delano Roosevelt que revela uma analogia com a actualidade: aceitar grandes empresas fortemente reguladas ou parti-las para melhor as controlar. Acha que devemos ter estes supermercados fortemente regulados ou antes que precisamos de uma versão moderna da lei que, em 1933, proibiu aos bancos comerciais realizar actividades de banca de investimento (até 1999)?

Até agora, os factos mostram que outros países que não tiveram nos seus mercados financeiros os problemas que nós tivemos, também não separam bancos de investimento de bancos comerciais, por exemplo. Têm, o modelo do supermercado e uma regulação forte.

Depois da Grande Depressão, ter um diploma do secundário deixou de ser algo apenas possível a uma elite e tornou-se um bilhete para a classe média. Qual é hoje o equivalente: uma licenciatura, um bacharelato ou a simples frequência universitária?

No meu discurso para a sessão conjunta [da câmara de representantes e do Senado], disse que todos deviam ter pelo menos um ano de formação pós-ensino secundário. Seria demasiado dizer que todos precisam de licenciar-se. Mas é preciso garantir formação complementar suficiente para ganhar competências nas áreas que exigem conhecimentos técnicos, porque é muito difícil conseguir um emprego com um salário decente sem isso ? ou, pelo menos, suficiente para nos sustentarmos. Isso não é apenas bom para os indivíduos, mas crucial para a economia. Mas também é muito importante assegurarmo-nos que o secundário está a dar aos nossos jovens aquilo de que precisam.

Uso a minha avó como exemplo para muitas coisas, mas este é esclarecedor. A minha avó nunca se licenciou - fez apenas o secundário - e ainda assim chegou a vice-presidente de um banco. O secundário que frequentou foi suficientemente rigoroso para que conseguisse comunicar e analisar informação de uma forma que muitos licenciados não conseguem.

Estive recentemente na Virgínia a falar com alguns estudantes universitários e, apesar de empenhados, eles têm medo que o seu esforço não valha a pena e que a China lhes roube os seus empregos. O que lhes diria?

Mas, mais uma vez, o grande desafio é assegurar que, da creche até à graduação no secundário ou na universidade, as pessoas realmente adquiram capacidades competitivas e produtivas para uma economia tecnológica moderna.

Não quero apenas mais licenciados, quero-os nas áreas de matemática, ciência e engenharia. É importante que, na economia pós-bolha, sejamos capazes de recuperar o equilíbrio entre fazer coisas e fornecer serviços. Esses empregos são bons - e com todo o avanço tecnológico que experimentamos não voltaremos a ter uma economia com tão grande percentagem de mão-de-obra industrial como a que existiu nos anos 40.

O mais importante é olharmos para os nossos concorrentes de longo prazo - China, Índia, UE, Brasil, Coreia -, que estão a produzir a melhor força de trabalho. O seu sistema de educação enfatiza as ciências e matemáticas e eles podem traduzir essas bases em aplicações tecnológicas. Precisamos dessas características para manter forte a nossa economia.

 

r às 12:58

Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
30
31


ARQUIVO
Twingly Blog Search ShowBlog=NO blog:http://fait-divers.blogs.sapo.pt/ sort:inlinks Most linked posts
pesquisar
 
subscrever feeds