09
Mar 10

 

Corte nas deduções de saúde e educação agravam imposto para 3,5 milhões de portugueses

 

Mais IRS para famílias que ganham acima de 7250  anuaisCerca de 3,5 milhões de portugueses, assalariados e pensionistas da classe média e média alta, terão, nos próximos anos, aumentos efectivos no IRS - o imposto sobre salários, rendas e juros bancários - entre os cem euros e os 700 euros anuais. A explicação é simples: as deduções ao imposto com as facturas relativa à conta da farmácia e educação, por exemplo vão passar a ter um tecto máximo. O mesmo acontecerá com as deduções de juros de habitação, Planos Poupança Reforma (PPR) e prémios de seguros de saúde.

 

Também os reformados, pensionistas serão o alvo do fisco. As deduções específicas vão diminuir, em convergência com os "descontos" dos trabalhadores, o que aumentará a pensão sujeita à taxa de imposto.

 

O Governo só poupa os agregados familiares com rendimentos até aos 7250 euros anuais. A partir deste rendimento e até aos 17 979 euros de ganhos anuais sujeitos a imposto (IRS), os contribuintes pagam uma média de cem euros. Neste caso, são mais de 900 mil contribuintes o alvo deste aumento de imposto.

 

Sob fogo cerrado do fisco estarão cerca de dois milhões de contribuintes, o "núcleo duro" da classe média portuguesa, com rendimentos entre os 18 mil euros e os 41,3 mil euros. Em média mensal, boa parte destes contribuintes vai ficar sem 13 euros, 180 euros anuais. A classe média alta - cerca de 400 mil contribuintes - é também chamada a "pagar a crise", ao liquidar, em média, entre os 390 euros e os 700 euros.

 

O ataque do fisco à carteira dos portugueses está calendarizado para 2011, com o Orçamento do Estado a apresentar em Outubro próximo. Será sob os rendimentos do próximo ano que os contribuintes vão sentir a falta de dinheiro, cujo encontro de contas (época dos reembolsos) está marcado para Março de 2012.

 

O argumento para estas alterações é o de sempre. Em 2009, as despesas do Estado superaram em 15,4 mil milhões de euros as receitas (boa parte em impostos). Ou seja, o défice foi de 9,3% da PIB e é preciso um esforço para levar o défice até 2,8% em 2013. para isso, o Governo pretende cortar 0,5 pontos percentuais do PIB às despesas sociais, enquanto pretende aumentar as receitas em 0,8 pontos percentuais. Em 2013, os impostos arrecadados pelo Estado significarão 43,6% do PIB.

 

r às 13:08

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
17
18
19
20

21
24
26
27

28
30


ARQUIVO
pesquisar