29
Dez 10

 

 

Via HenriCarton

r às 18:04

 

Quem tiver um pouco mais de tempo, aconselho vivamente a ler os diversos take's desta história ( no final do Post).....

 

Nem sei por onde é que hei-de começar.

 

Faz hoje uma semana, ele ofereceu-me um Nokia E 71 que comprou na Ensitel do Saldanha Residence. Ontem à hora do almoço começa a falhar a luz do display. Pura e simplesmente, com o teclado activo, não havia luz (o que dificulta imenso a utilização do telefone). Fui de imediato à Ensitel onde foi comprado o equipamento, explicar o que se passava. A primeira reacção foi "isso é do software", que deu logo para uma resposta dele "eu por acaso sou programador de software, explique-me lá como é que a ausência de luz se explica através do software", pelo que aquela justificação foi abandonada de imediato.

 

Estava (e está) dentro do período durante o qual eu tenho direito a trocar o equipamento defeituoso por um, totalmente novo, na loja onde foi adquirido. Ontem, a resposta foi, pois, mas não temos mais em stock, terá de se dirigir à Nokia. Não havia nenhum telemóvel igual, na zona de Lisboa, apenas nas lojas do Norte.

 

No dia seguinte, portanto hoje,  já com as caixas, caixinhas, saquinhos de plástico, facturas e demais parafernália que acompanha este tipo de equipamento, voltei à Ensitel, para confirmar que não trocavam aquele equipamento defeituoso por um outro, tal como está previsto no contrato (e na Lei, já agora). Confirmado. Preenchi uma folhinha do livro de reclamações, peguei em mim e fui à Nokia. Na Nokia disseram-me que podiam reparar o equipamento, mas que eu tinha direito à troca.

 

De regresso à Ensitel. Expliquei, de novo, a questão, e, milagrosamente, apareceu um equipamento na zona de Lisboa, no Oeiras Parque. Está reservado em seu nome, é só chegar lá e trocar.

 

Fim do dia, vai buscar o puto e vai para o Oeiras Parque, para que os senhores se recusem a trocar o equipamento, porque tem um risco no écran (eu não vejo risco nenhum).

 

Regresso à Ensitel do Saldanha. Já só quero que me devolvam a porra do dinheiro. Quero extinguir a minha relação comercial com a Ensitel o mais rapidamente possível.

 

As meninas que me atendem também não vêem nenhum risco no écran, mas vêem um risco na tampa da bateria. Recusam-se a devolver-me o dinheiro.

 

Isto é uma novela, mas mesmo assim, mantenho-me calma.

 

A Ensitel podia ter resolvido o problema muito facilmente, ontem, cumprindo a Lei, trocando o equipamento (acção à qual resistem a todo o custo). Optou pela via mais difícil. Coloca imensos entraves à troca de equipamento, dificulta a coisa, tenta empurrar para terceiros, sacudir a água do capote.

 

No meio disto tudo, quem se lixa é o mexilhão. O problema é que, neste caso, o mexilhão sou eu. E eu não gosto que me lixem. O que poderia ter sido resolvido com a troca de um equipamento, vai ser resolvido em tribunal, vão ter de me devolver o dinheiro, pagar as despesas legais, mais as deslocações, mais toda e qualquer despesa que eu venha a ter com esta brincadeira. E em cima disto perdem não um, mas dois clientes e, se olharmos para a quantidade de telemóveis e respectivos acessórios que estes dois clientes compraram nos últimos anos, eu diria que eles fizeram um mau negócio.

 

Pela parte que me toca, qualquer empresa que tente prejudicar o seu Cliente, fugindo às responsabilidades que a Lei lhe atribui, escondendo-se atrás de procedimentos internos (que NUNCA se podem sobrepor à Lei, mas que se sobrepõem) é uma empresa que não merece a minha confiança, nem a minha recomendação. Pela parte que me toca, boicote à Ensitel.

 

E este, apesar de ser o primeiro, não é o último post que faço acerca deste tema.

 

(Ver também Ensitel take 2, Ensitel take 3, Ensitel take 4, Ensitel take 5 ou salte logo para o resultado em Ensitel take 6)

 

 

r às 13:53
tags:

28
Dez 10

 

 

A entrega do Prémio Puskás será feita no dia próximo dia 10 de janeiro, mas os dez melhores golos selecionados pelo Comité da FIFA já são conhecidos.

 

Destaque para a presença de uma jogadora: A japonesa Kumi Yokohama é a única mulher a concorrer ao Prémio Puskás, com o golo marcado no jogo entre a Coreia e o Japão

r às 14:59
tags: ,

27
Dez 10

 

r às 12:38

17
Dez 10

 

r às 17:49

16
Dez 10

 

 

Dizia ser um "homem sem pátria, sem terra, sem raiz". Vivia o tempo, o momento. Um magazine cultural, que realizou e apresentou durante nove anos na RTP 2, mudou-lhe a identidade. Carlos Pinto Coelho deixou-nos ontem à noite. O coração traiu "o senhor Acontece".

 

E morreu a exercer o ofício. Carlos Pinto Coelho encontrava-se, ontem a tarde, num quartel da GNR, onde ia entrevistar o general Almeida Bruno para o seu novo programa . A dada altura, sentiu-se mal: transportado para o hospital, onde ainda foi tentada reanimação, acabaria por falecer. Era o regresso do jornalista ao ecrã, num programa que estreou na semana passada, na RTP Memória, com uma entrevista ao pintor Nadir Afonso.

 

 

r às 11:54

15
Dez 10

 

Fui à festa, mãe. Fui à festa, e lembrei-me do que me disseste. Pediste-me que eu não bebesse álcool, mãe... Então, bebi uma 'Sprite'. Senti orgulho de mim mesma, exactamente o modo como me disseste que eu me sentiria. E que não deveria beber e de seguida conduzir.


Ao contrário do que alguns amigos me disseram. Fiz uma escolha saudável, e o teu conselho foi correcto.

Quando a festa finalmente acabou e o pessoal começou a conduzir sem condições, fui para o meu carro, na certeza de que iria para casa em paz...

Eu nunca poderia esperar... Agora estou deitada na rua e ouvi o policia dizer: 'O rapaz que causou este acidente estava bêbado'. Mãe, a voz parecia tão distante...

 

O meu sangue está por todo o lado e eu estou a tentar com todas as minhas forças não chorar... Posso ouvir os paramédicos dizerem: 'A rapariga vai morrer'...

 

Tenho a certeza de que o rapaz não tinha a menor ideia, enquanto ele estava a toda velocidade, afinal, ele decidiu beber e conduzir!! E agora eu tenho que morrer. Então... Porque é que as pessoas fazem isso, mãe? Sabendo que isto vai arruinar vidas?

 

A dor está a cortar-me como uma centena de facas afiadas. Diz à minha irmã para não ficar assustada, mãe, diz ao pai que ele tem que ser forte.

 

Quando eu partir, escreva 'Menina do Pai' na minha sepultura...


Alguém deveria ter dito àquele rapaz que é errado beber e conduzir. Talvez, se os pais dele o tivessem avisado, eu ainda estivesse viva...

Minha respiração está a ficar mais fraca mãe, e estou a ficar realmente com medo. Estes são os meus momentos finais e sinto-me tão desesperada...

 

Gostaria que tu pudesses abraçar-me mãe, enquanto estou aqui esticada a morrer, gostaria de poder dizer que te amo mãe...

Então... Amo-te

Adeus...'
________________________________________
Estas palavras foram escritas por um repórter que presenciou o acidente. A jovem, enquanto agonizava, ia dizendo as palavras e o jornalista ia anotando...

 

Digo eu: um Registo impressionante. Não sei se é verdadeiro mas, mesmo que não seja, deve valer como exemplo: Se conduzir, não beba..

r às 18:42

 

O representante da República para os Açores, José António Mesquita, vetou politicamente o orçamento regional dos Açores para 2011, avança a SIC Notícias.

O documento inclui a remuneração compensatória para os funcionários públicos que ganham entre 1500 e 2000 euros, que muita polémica tem causado.

De acordo com a TSF, o orçamento será devolvido à Assembleia Regional e, se for confirmado - o que deverá acontecer, uma vez que o PS tem maioria , isso obrigará José António Mesquita a assinar o diploma.

r às 16:55

13
Dez 10

 

r às 15:23

08
Dez 10

 

r às 15:28

Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
18

19
20
21
22
23
24
25

26
30
31


ARQUIVO
pesquisar
 
subscrever feeds