12
Abr 10

 

Decorreu neste fim-de-semana, em Carcavelos, o Congresso de aclamação do novo líder do PSD: Pedro Passos Coelho.

 

O Congresso foi fraquinho, digo eu. Para mim a melhor intervenção que tive oportunidade de assistir foi a do candidato derrotado Aguiar Branco, no extremo oposto considero ter ficado Paulo Rangel. A sua intervenção foi surreal, não acrescentou nada e ainda teve o descaramento de louvar a ex líder, Manuela Ferreira Leite.

 

Nada tenho de pessoal contra ela, nem contra Paulo Rangel. Só não percebo o alcance da sua intervenção, já que durante a campanha eleitoral interna ele, Paulo Rangel, fez questão de se desmarcar completamente da líder…. Agora um retrocesso, porquê???

 

Quanto ao novo líder: Para quem não o conhece, a imagem favorece-o, sem dúvida, mas no território da intervenção política dirigida ao país, pouco fica para memória futura. É certo que o seu discurso é 

escorreito e agradável aos ouvidos mas, do meu ponto de vista, faltou substância. Medidas concretas para o país e para resolver os seus problemas muito pouco. A não ser a pressa de providenciar uma Revisão Constitucional, sem se perceber em concreto quais os fundamentos que suportam tal medida e tanta pressa??????

r às 11:11

10
Abr 10

O adeus a Terre'Blanche

Foto@EPA/Ludbrook

Membros do Movimento de Resistência Afrikaner transportam coroas durante o funeral do ex-líder da extrema direita, Eugene Terre'Blanche, em Ventersdorp, África do Sul. Terre'Blanche foi assassinado na sua casa enquanto dormia no dia 03 de abril de 2010 por dois dos seus trabalhadores agrícolas.

r às 19:14

Polacos juntam-se no Palácio Presidencial de Varsóvia após a notícia da trágica queda do avião presidencial, na Rússia. Acredita-se que todas as pessoas a bordo, incluindo o presidente polaco Lech Kaczinski, estejam mortas.

  

O Presidente polaco, Lech Kaczynski, e grande parte dos altos responsáveis da Polónia estão entre as vítimas mortais da queda do Tupolev Tu-154, ao serviço do Governo de Varsóvia, que esta manhã se despenhou pouco antes da aterragem em Smolensk, na Rússia. Informações avançadas por uma fonte das forças de segurança russas indicam que na origem do desastre terá estado um erro do piloto do aparelho. A hipótese de o mau tempo ter provocado o acidente também já foi colocada.

 

O Presidente Lech Kaczinski dirigia-se para Smolensk para participar nas cerimónias fúnebres em memória das vítimas do massacre de Katyn, em 1941, quando a polícia secreta soviética executou mais de 20 mil oficiais polacos capturados pelo Exército Vermelho.

Um porta-voz do governo polaco anunciou a realização de eleições presidenciais anticipadas. Pawel Grass disse à Reuters que, até lá, o presidente da câmara baixa do parlamento Bronislaw Komorowski “é automaticamente o Presidente em funções”. Segundo os constitucionalistas, a data das eleições deverá ser marcada no prazo de duas semanas e a ida às urnas terá que ser feita nos dois meses que se seguem à marcação das eleições.

r às 19:01

07
Abr 10
r às 12:19

 

A cidade maravilhosa está irreconhecível, depois da chuva intensa que tem inundado o Rio de Janeiro nos últimos dias. Pelo menos 102 pessoas morreram, vítimas das cheias e dos deslizamentos de terras, e as autoridades estimam que, com a limpeza das favelas, o número de mortos aumente bastante.    

 

A falta de electricidade nos bairros mais afastados do centro transformou a cidade num sítio escuro, e as ruas inundadas têm provocado sérias dificuldades aos cariocas nas deslocações pela cidade. As zonas oeste e norte do centro da capital cariosca, e a cidade de Niterói, na região metropolitana, são as mais atingidas, segundo o Instituto de Geotécnica do Município do Rio de Janeiro.    

 

Devido ao vento forte, as aterragens no aeroporto Santos Dumont foram canceladas durante a manhã e as companhias aéreas estão a deslocar os voos para o aeroporto do Galeão, que funciona para voos domésticos.   

 

O trânsito está caótico, a avenida que liga a Barra da Tijuca e a praia de Ipanema continua cortada e as autoridades municipais não têm mãos a medir para os pedidos de ajuda que chegam a cada minuto. "Os moradores da Barra devem evitar as delocações, e só vão ao centro por necessidade. Quem puder adiar reuniões, compromissos e usar boleias solidárias para diminuir os carros nas ruas, use", recomendou esta manhã o presidente da câmara.

    

Eduardo Paes (prefeito) do Rio de Janeiro apelou à calma das populações, apesar de muitas das escolas do estado estarem encerradas.  

As chuvas dos últimos dias são as piores dos últimos 40 anos no Rio de Janeiro, e a população já compara a situação à vivida no último inverno, no estado de Santa Catarina, no sul do Brasil.   

 

A cidade de Niterói foi das mais afectadas pelas cheias e tem registo de 53 mortos, o que levou o prefeito a declarar uma semana de luto e o estado de emergência e toda a região.  

Outro dos pontos mais afectados da cidade do Rio foi o norte, perto do estádio do Maracanã: as bilheteiras do estádio e as ruas circundantes estão cheias de lama e água.  

Notícia do jornal i

 

 

r às 11:56

Conheça os homens mais procurados pela PJ

r às 11:45
tags:

05
Abr 10
r às 11:40

r às 11:38

01
Abr 10

r às 10:39

 

A imprensa desta quinta-feira lança novos dados sobre a investigação a decorrer na Alemanha  à empresa Ferrostaal, avançando que são quatros os governantes portugueses do Governo de coligação PSD/CDS-PP, responsável pela adjudicação da compra de dois submarinos, que terão sido subornados.

 

O Correio da Manhã avança, na primeira página, que quatro membros do Governo liderado por Durão Barroso estão «na mira da investigação». Segundo adianta o jornal, cada um destes políticos terá recebido luvas no valor de 1,6 milhões de euros, o mesmo valor que de acordo com a revista alemã Der Spiegel, terá também sido pago ao cônsul honorário em Munique Jurgen Adolff, que ontem foi suspenso das suas funções pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros.

 

O Diário de Noticias (DN) revela também que o Ministério Público alemão está a investigar a alegada criação de «empresas fantasma» utilizadas para o pagamento de comissões ilegais. O DN acrescenta que o contra-almirante português Rogério D'Oliveira terá «recebido um milhão de euros de uma dessas empresas». Um despacho do Ministério Público alemão a que o DN teve acesso cita outros nomes de gestores e advogados portugueses que teriam conhecimento das movimentações financeiras originadas por este negócio.

 

A revista alemã Der Spiegel noticiou, esta semana, que um cônsul honorário de Portugal, que não identifica, terá recebido um suborno de 1,6 milhões de euros da Ferrostaal para ajudar a concretizar a compra de dois submarinos pelo Estado português em 2004.

 

De acordo com a Der Spiegel, o cônsul honorário terá também organizado, no verão de 2002, uma «reunião entre a administração da Ferrostaal e o antigo primeiro ministro português José Manuel Durão Barroso», actual presidente da Comissão Europeia.

 

r às 10:21

Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
14

18
21
22
24

26
27
30


ARQUIVO
pesquisar
 
subscrever feeds