18
Ago 09

 

Marques Mendes não quer comentar publicamente as listas de Manuela Ferreira Leite. "Este não é o momento. Quando achar que o devo fazer, falarei", explicou o ex-líder do PSD ao Expresso. Mas nas suas palavras transparece o desconforto com a actual direcção do partido.
 
Muito mais explícito é o homem que foi seu secretário-geral no PSD, Azevedo Soares: "Mais uma vez, Ferreira Leite comprovou a sua incompetência política", diz a propósito das listas de candidatos a deputados. "Ela não tem estatura para ser líder do PSD", conclui.
 
O tom crítico é partilhado com o secretário-geral que lhe sucedeu, Ribau Esteves, na liderança de Luís Filipe Menezes. "Alguns dos nomes apresentados são inenarráveis. Confesso que não consigo sequer compreender a sua lógica", diz o também presidente da Câmara de Ílhavo.
 
Menos polémico, Menezes disse à SIC esperar que a crise passe rápido. Não deixou, no entanto, de se demarcar, afirmando que a não inclusão de Passos Coelho é um erro e que deviam ter sido ouvidas as bases.
 
Um dos históricos do PSD, Ângelo Correia, mais polido nos termos, diz o mesmo: "Tenho critérios diferentes dos dela, se bem que não possa afirmar que os meus são melhores". O antigo ministro da Administração Interna lamenta a "excessiva exclusividade" das listas.
 
Sempre suave, Ângelo Correia não deixa de ser demolidor: "Desde Sá Carneiro e até Santana Lopes, o PSD foi construído na base da diversidade. Agora é feito na base da unicidade", lamenta o histórico social-democrata que vê na atitude de Ferreira Leite "a posição de alguém com falta de fé na vitória".
 
Passos não faz campanha
 
E Pedro Passos Coelho não vai participar na campanha eleitoral para as legislativas. O adversário de Manuela Ferreira Leite nas eleições internas de 2008 viu-se excluído das listas de candidatos a deputados - era indicado por Vila Real para cabeça-de-lista pelo distrito;
 
E o mesmo se passou em Santarém, onde a direcção nacional apenas recusou o nome proposto para cabeça-de-lista (o de Miguel Relvas, um histórico do partido no distrito, e o braço-direito de Passos Coelho), substituindo-o pelo de Pacheco Pereira - que assim regressa à política após anos de afastamento.
 
Vasco Cunha, presidente do PSD/Santarém, entendeu o veto de Ferreira Leite como uma "censura" ao trabalho que tem vindo a desenvolver no distrito e quis sair das listas.
 
A ruptura com Lisboa
 
Mas foi em Lisboa que o caldo verdadeiramente se entornou. Manuela Ferreira Leite ignorou 15 dos primeiros 20 nomes sugeridos pelo líder da distrital de Lisboa, Carlos Carreira. À sua revelia, integrou nas listas António Preto, Helena Lopes da Costa (ambos com processos em tribunal, o primeiro por fraude fiscal - ver texto abaixo - e a segunda por abuso de poder) e, como independente, Maria José Nogueira Pinto.
 
Neste panorama, o líder do PSD/Lisboa, Carlos Carreiras, assume a ruptura com a líder do partido. Sem que isso ponha em causa, garante, o envolvimento da máquina partidária na campanha: "Vamos assumir as nossas responsabilidades". Mas os seus prognósticos para 27 de Setembro são tudo menos optimistas: "Perdeu-se o momento em que o PSD podia galvanizar, aproveitando o desgaste do PS e de Sócrates. O PSD pode ter perdido as eleições no Conselho Nacional de terça-feira".
 
r às 11:00

Professor catedrático e pró-reitor da Universidade do Minho escreveu uma carta aberta à líder do PSD afirmando que as listas para as legislativas são "golpes terríveis na democracia".


Luís Filipe Lobo-Fernandes, que em carta aberta à líder do partido intitulada "O grau zero da política" anuncia a sua desfiliação do PSD, lamenta que Ferreira Leite tenha "imposto" a inclusão nas listas de Helena Lopes da Costa e António Preto, "presentemente arguidos em processos judiciais".


"Ora isto são golpes terríveis na democracia. Alguma 'esperança' que V.Exa aparentava protagonizar morreu na primeira curva. Afigura-se-me, ademais, que se perdeu todo o pudor e todo o respeito pelos cidadãos. Como militante do PSD (...) só posso concluir que a renovação de que a Senhora Drª Manuela Ferreira Leite fala assume foros de embuste", afirma este professor de ciência política.

 

r às 10:44

 

Jornada de empates – 8 jogos / 7 empates.
 
Curiosidade: Três grandes, começam a perder, chegam ao intervalo a perder mas todos empatam a uma bola.
 
SPORTING – Por estranho que possa parecer, uma das primeiras impressões que tive do jogo entre o Nacional da Madeira e o Sporting, foi o de que me pareciam 2 equipas cansadas…
 
 E, de facto, o jogo foi praticado com baixa velocidade e intensidade. Ainda assim, o Nacional da Madeira foi mais organizado e trabalhador. Foi sem espanto que chegou ao golo. Após o golo do Nacional o Sporting mostrou pouca capacidade de reacção. Já na segunda parte e, não fora o corte providencial de Daniel Carriço, sobre a linha de golo o Nacional teria feito o 2 a 0 e “acabado” com o Jogo – este foi, em meu entender o momento do jogo.
 
Após este lance o Sporting fez entrar em jogo o reforço Matias Fernandez que trouxe um pouco mais de dinâmica e qualidade na posse de bola do Sporting. As baterias do Nacional estavam em baixo, depois de controlar o jogo durante 60 minutos.
Mesmo sem jogar bem o Sporting melhorou e chegou ao empate com um golo na própria baliza.
 
Na sequência do empate o Sporting pressionou, um pouco mais e, à beira do fim, podia ter chegado à vitória.
 
Resultado Justo.
 
Sporting com unidades muito influentes na equipa em baixo de forma – João Moutinho, Liedson, Vukcevic… Boa sorte para a pré da liga dos campeões.
 
 
PORTO -  Uma semana depois destas duas equipas se terem defrontado para a Supertaça, Paços de Ferreira e Porto voltam a defrontar-se.
 
O Paços começou muito bem o jogo e criou grandes dificuldades ao Porto, chegando ao golo aos 12 minutos.
O Porto ainda não encontrou a forma de estabilizar a equipa, nem os substitutos para Lucho e Lisandro. Hulk esteve nervoso, complicativo, individualista e indisciplinado. Quando foi expulso por duplo amarelo, já há muito devia ter abandonado as 4 linha por ter agredido um adversário.
 
A vida estava difícil para o Porto, perdia por 1 a 0 e ficava a jogar com 10.
 
Ainda assim a equipa portista uniu-se e teve coração para num excelente golpe de cabeça de Falcão chegar ao empate.
 
Resultado justo.
 
BENFICA – Mais de 50.000 na luz para o primeiro jogo do campeonato. A fé e euforia, devido à boa pré-época, era muita mas, cedo se percebeu que o Marítimo tinha a lição bem estudada e que iria dificultar e muito o jogo do Benfica.
 
O Benfica não entrou bem, talvez mérito do Marítimo, a jogar em 40 metros, e a tentar esporadicamente lances de contra ataque. Contra a corrente do jogo, David Luiz faz grande penalidade, inquestionável e Alonso, da marca dos 11 metros, com grande frieza e qualidade bate Quim de forma exemplar. 0 a 1 para o Marítimo aos 25’ minutos.
 
O Benfica reagiu, muito à custa da velocidade de Fábio Coentrão mas chegava ao intervalo sem conseguir o desejado empate.
 
A segunda parte foi muito diferente, o Benfica “encostou” o Marítimo à sua área, a pressão foi demolidora e, não fora Cardozo falhar uma grande penalidade e um desvio de cabeça dentro da pequena área, Rúben Amorim , Sidnei, Di Maria e Fábio Coentrão terem permitido grandes defesas a Peçanha o Benfica teria conseguido chegar à vitória.
 
Ainda assim do mal, o menos, Weldon com um bonito golo de cabeça aos 86’ estabeleceu o resultado final. Benfica 1 – Marítimo 1.
 
Resultado injusto. 7 a 0 para o Benfica em oportunidades de golo não concretizadas e 75 % de posse de bola deveriam ser suficientes para o Benfica vencer, mas não foram e o Benfica só se pode queixar de si próprio.
 
POSITIVO DA JORNADA: Reforços Weldon e Falcão já valem pontos, grande exibição de Peçanha na Luz e SC de Braga, única equipa que venceu na 1ª jornada.
 
 
NEGATIVO DA JORNADA: Muito poucos golos, 9 golos em 8 jogos. Deixo aqui a comparação com a 1ª jornada de outros campeonatos europeus: França 27 golos/10 jogos; Alemanha 26 golos/9 jogos; Inglaterra 24 golos/10 jogos; Holanda 21 golos/9 jogos e Bélgica 25 golos/8 Jogos.
r às 10:16

17
Ago 09

 

 

O «homem relâmpago»

Foto@EPA/Kay Nietfeld

O atleta jamaicano Usain Bolt determinou este domingo um novo recorde do Mundo nos 100 metros, ao correr a distância em 9,58 segundos, na final da prova dos Mundiais de Berlim2009, na qual conquistou a medalha de ouro.

 

r às 17:05

 

O impulso reformista e modernizador do Partido Socialista

 Modernização da economia

 
·   Entre 2005 e a eclosão da crise mundial, a economia portuguesa retomou a trajectória de crescimento, assente no aumento das exportações.
 
·   O Proder, Plano de Desenvolvimento Rural, disponibiliza 4,1 mil M€ a aplicar até 2015 (mais 600 M€ relativamente ao anterior quadro comunitário). Em Junho de 2009, a taxa de execução do Proder estava em linha com a média comunitária, e acima da de países como a Espanha e a Itália.
 
·   Valorização dos recursos próprios de Portugal e promoção da cooperação entre os actores económicos. Com o programa nacional de barragens e o apoio às unidades de produção de energia eólica, solar e das ondas. Aposta na atracção de investimento turístico de qualidade: entre 2004 e 2008, as receitas do turismo subiram 21%, posicionando Portugal no 17.º lugar no ranking mundial do sector de viagens e turismo. Foram criadas ainda as Zonas de Intervenção Florestal; definida a Estratégia Nacional para o Sector da Pesca, com o Promar; e criados os Programas de Valorização Económica dos Recursos Endógenos (Provere).
 
·   Modernização da legislação laboral. O novo Código do Trabalho incentiva a contratação sem termo e penaliza a contratação a termo. Combate aos falsos recibos verdes. Favorece a negociação colectiva. Promove as formas de conciliação entre vida profissional e vida familiar, aumentando os direitos das famílias com filhos. Cria novos instrumentos de adaptabilidade interna das empresas, como os bancos de horas e a concentração de horários, para, mediante acordo dos trabalhadores, adequarem a sua actividade às oscilações conjunturais dos mercados em que operam.
r às 16:30

 

 

SÓ UMA PEQUENA NOTA SOBRE OS CARTAZES DO PSD:

 

Todas as frases chave/conselhos dos cartazes parecem ser dirigidas ao PS e a José Sócrates.

 

Considera Ferreira Leite que Sócrates já ganhou???

 

Será que Ferreira Leite quer ganhar???

r às 16:17

 

E… É O INICIO DO FIM PARA MUITOS DOS ACTUAIS PRESIDENTES DE CÂMARA.
 
Cerca de 200 presidentes de câmara actualmente no poder concorrem às autárquicas deste ano mas, caso ganhem, já não poderão recandidatar-se em 2013, devido à lei de limitação de mandatos de presidentes de executivos locais.
 
A lei nº 46/2005, que limita os mandatos dos autarcas, foi aprovada em Julho de 2005 pelo Parlamento, mas a mesma só será aplicada efectivamente nas autárquicas de 2013.
Dos 308 presidentes da Câmara actualmente no poder, 191 recandidatam-se em 2009 mas, em caso de nova vitória, não poderão ir a votos em 2013, por concorrerem este ano pelo menos a um terceiro mandato.
 
Rui Rio (PSD), no Porto, Joaquim Raposo (PS), na Amadora, Fernando Seara (PSD), em Sintra, Fernando Ruas (PSD), em Viseu, Maria Emília de Sousa (CDU), em Almada, e os independentes Isaltino Morais (Oeiras), Valentim Loureiro (Gondomar) e Fátima Felgueiras (Felgueiras) são alguns dos autarcas que têm no sufrágio deste ano a última possibilidade de ir a votos.
 
 
Peça do DN completa aqui
r às 16:10

12
Ago 09

 

 

Arranca na próxima sexta-feira ( 14 Agosto), a Liga de Futebol Sagres 2009/2010.

 

Este defeso foi mais tranquilo do que o vivido na época passada. O caso “apito dourado” perdeu fulgor e não fora o caso do Estrela da Amadora, relegado para a 2ª divisão B, por dívidas ao estado, jogadores e funcionários, este defeso teria sido totalmente pacífico  no que respeita a “casos”.
 
Ainda assim, foi curioso ver a luta entre Benfica e Porto para assegurar reforços para a época que agora se inicia. Este clássico ficou empatado, o Porto “furtou” Alvaro Pereira ao Benfica e, o Benfica levou a melhor no duelo por Keirrison, emprestado às águias pelo Barcelona.
 
A poucos dias do início do Campeonato e no seguimento da conquista do primeiro troféu da época, o Porto, é apontado como o principal candidato ao título nacional, sobretudo por ter mantido a estrutura directiva e técnica da época passada, tendo ainda apostado em diversas contratações para colmatar as importantes saídas de Lucho, Lisando e Cissoko, principalmente.
 
O Sporting esteve discreto no mercado, tendo somente contratado o médio Matias Fernandez e recebido, por empréstimo o atacante Caicedo. A discrição do Sporting também se tem feito sentir nos jogos de pré-época assim como na eliminatória milagrosamente ultrapassada contra o Twente. No entanto tem, ou terá, veremos, a “vantagem” de manter toda a mesma estrutura do Futebol. O Sporting não está bem mas, ainda assim pode e deve jogar bem mais futebol que aquele que tem apresentado.
O Benfica encerra o grupo dos três crónicos candidatos ao título, com um novo treinador, Jorge Jesus, e um plantel melhor e mais equilibrado - digo eu -, destacando-se Ramirez e Saviola, não esquecendo Javi Garcia e o “renovado” Di Maria. A pré –época foi bem conseguida e a euforia reina no ninho da águia.
Se não olharmos para anteriores épocas, arrisco mesmo referir, que o Benfica é, neste momento, o mais preparado e em melhores condições para ser o próximo campeão nacional. Naturalmente a época é muito longa e tenho muitas dúvidas que o Benfica mantenha a entrega e dinâmica apresentadas na pré-época. Mas se o fizer, será muito difícil ganharem ao Benfica. Veremos, já no domingo, se consegue vencer na primeira jornada, facto que não acontece há anos.
 
Tal como na época passada, tentarei, semanalmente, fazer os meus breves comentários aos jogos dos 3 “grandes” e a algo mais se se justificar. Que se iniciem os jogos, com Fair Play e com o mínimo possível de erros de arbitragem.
 
 Aqui ficam os jogos da 1ª Jornada.
 

2009-08-15
Visitado
 
Visitante
 
 
 
 
 
 
 
 
 

r às 13:52

 O impulso reformista e modernizador do Partido Socialista

 infra-estruturas de transportes e comunicações

 ·    Relançamento de grandes projectos de investimento. Decidiu-se localizar o novo aeroporto internacional de Lisboa no campo de tiro de Alcochete. Estabeleceram-se como prioritárias as linhas de alta velocidade Lisboa-Madrid, Lisboa-Porto e Porto-Vigo. Decidiu-se ainda a construção da terceira travessia do Tejo, com valência rodo-ferroviária, no corredor Chelas-Barreiro.

·    Avanço na construção e manutenção de estradas, concretizando o Plano Rodoviário Nacional. Foram concluídas ou qualificadas, entre outras, as Concessões Beira Litoral e Alta, Interior Norte, Grande Porto, Norte Litoral e Litoral Centro, o Eixo Norte-Sul e alargado o IC 19. Está prestes a concluir-se o fecho da CRIL. Lançamento de mais nove subconcessões rodoviárias: Túnel do Marão, Auto-Estrada Transmontana, Douro Interior, Baixo Tejo, Baixo Alentejo, Litoral Oeste e Algarve Litoral.

·    Modernização da rede ferroviária. Prosseguiu a modernização da Linha do Norte, incluindo o rebaixamento da via férrea no atravessamento da cidade de Espinho. Concluiu-se a modernização da Linha da Beira Baixa, até Castelo Branco, e iniciámos a sua modernização até à Covilhã. Foi concluída a renovação integral de via do troço Casa Branca-Évora e iniciou-se a construção da variante de Alcácer, na Linha do Sul. Conclusão da construção da ligação ferroviária à Siderurgia Nacional e inicio da construção da ligação entre o porto de Aveiro e a linha do Norte. Foram suprimidas e reclassificadas, respectivamente, 265 e 267 passagens de nível, até ao final de 2008.

 ·    Desenvolvimento dos transportes públicos das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto. Entraram em exploração mais 44 Km. da rede do Metro do Porto e foi adjudicada a nova linha para Gondomar. Foi concluída a extensão do Metro de Lisboa até Santa Apolónia. Foram Lançádas as extensões da Linha Azul até à Reboleira (agora até ao hospital da Amadora) e da Linha Vermelha até ao Aeroporto. Será concluída, no verão de 2009, a extensão da Linha Vermelha, entre a Alameda e S. Sebastião. Entrou em funcionamento o Metro Sul do Tejo. Inicio da construção da variante ferroviária da Trofa, que concluirá a modernização da Linha do Minho, melhorando o serviço ferroviário urbano do Porto a Braga e Guimarães.

·    Promoção da competitividade dos portos portugueses e desenvolvemos o sistema logístico. Foram Dotádos os portos nacionais de melhores infra-estruturas e acessibilidades marítimas e terrestres, nomeadamente os de Leixões, Lisboa, Sines, e foi criada a rede nacional de plataformas logísticas (12 plataformas e dois centros de carga aérea).

·    Promovemos a modernização das infra-estruturas aeroportuárias. Foram concluídas as obras de expansão do Aeroporto Sá Carneiro. Foi concluído o Terminal 2 do Aeroporto de Lisboa. Lançamento da construção do Aeroporto de Beja. Lançamento do plano de desenvolvimento e expansão do Aeroporto de Faro.

·    Promoção e modernização das infra-estruturas tecnológicas de informação e comunicação. Foram Lançádas as redes de banda larga de nova geração e sua universalização a todo o território continental com acesso à Internet em banda larga. Passámos de 930.000 clientes de banda larga para quatro milhões (acesso fixo e móvel), designadamente através dos programas e-escola e e-escolinha. Foi concluído o concurso e foram atribuídas as licenças para a Televisão Digital Terrestre.

 
r às 12:19

 

Artigo de Mário Soares no DN de ontem – 11 agosto2009
 
1. Julgo que Manuela Ferreira Leite, com a escolha autoritária que fez relativamente aos candidatos a deputados do seu partido, cometeu um erro irreparável e inesperado. Erro que pode ter mudado, pelas reacções que provocou e provocará, tanto no partido como no eleitorado, tendo em conta as próximas eleições legislativas. Criou um indisfarçável mal-estar no partido, com repercussões muito sérias, que contribuirão, necessariamente, para a perda do entusiasmo ganho (e um tanto exagerado) com os resultados das eleições europeias. Por outro lado, demonstrou, a grande parte do eleitorado, que a actual líder laranja não tem senso político, flexibilidade, nem um rumo seguro para Portugal, como se julgava, principalmente tendo em conta as suas pretensões de vir a governar o País, em tempo de crise aguda e quando existe, comprovadamente, uma maioria sociológica de esquerda, embora, de momento, dividida.
 
Dirigentes reconhecidos do partido laranja - e com experiência política -, como Marques Mendes, Marcelo Rebelo de Sousa, Ângelo Correia, Azevedo Soares, Ribau Esteves e, mais moderado, Luís Filipe Menezes, para não falar dos excluídos, como Passos Coelho, Miguel Relvas, Barreiras Duarte, Pedro Pinto e Virgílio Costa, não pouparam críticas à líder, a quem acusaram de sectarismo, de se julgar "dona" do partido e de proteger amigos pouco recomendáveis, como sugere a comunicação social, a respeito de António Preto, "o homem da mala" ou, noutro patamar, menos grave, Helena Lopes da Costa. Santana Lopes também não deve ter gostado nada das escolhas da sua ex-rival Ferreira Leite, apesar de ter tido a prudência de não o dizer claramente. Sobretudo ao meter na lista do PSD por Lisboa Maria José Nogueira Pinto (ex-CDS/PP), apoiante declarada de António Costa, candidato do PS à Câmara de Lisboa, um exemplo raríssimo de tripartidarismo que vai seguramente ficar nos anais das relações interpartidárias, pela sua extraordinária versatilidade...
 
Artigo de João Miguel Tavares no DN de ontem – 11 agosto2009
 
Até há coisa de dois anos eu estava convencido de que iria votar em José Sócrates nas eleições legislativas. Não o achava brilhante, mas parecia-me esforçado e com um desejo genuíno de reformar o País em áreas fundamentais. Mas com a acumulação dos vários "casos" tornou-se demasiado evidente que o escrutínio do poder e o exercício da liberdade de imprensa lhe causavam alergia. Sócrates - como ainda há pouco explicou num encontro com bloggers - é um adepto da "liberdade respeitosa", e eu não posso votar em quem cola adjectivos duvidosos à palavra liberdade ou que necessita de um dermatologista sempre que contacta com certos pilares fundamentais da democracia.
Depois, Manuela Ferreira Leite foi eleita. Era uma senhora de quem eu guardava boa impressão, e pensei: "OK, vou votar nela." Mas os primeiros meses à frente do PSD foram um filme de terror capaz de fazer empalidecer as melhores fitas de John Carpenter: primeiro, um silêncio interminável; depois, um conjunto de ideias banalíssimas saídas da Universidade de Verão; finalmente, uma colecção de gaffes que pareciam retiradas de um sketch dos Gato Fedorento. E eu pensei para com os meus botões: "Votar nesta Manuela? É que nem pensar."
 
Apetece gritar " Cala-te Manuela!!!"

 

r às 11:02

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
14
15

16
19
22

23
27
29

30
31


ARQUIVO
pesquisar
 
subscrever feeds