11
Ago 09

 

Aung San Suu Kyi passou 14 dos últimos 20 anos sob detenção, mas foi novamente condenada a mais um ano e meio de prisão
Líder da oposição birmanesa condenada a mais ano e meio de prisão
 
O PSD está bem e motivado para as próximas eleições, diz Ferreira Leite
Ferreira Leite diz que tem partido "absolutamente motivado" para combate eleitoral
 
Depois do episodio da troca da bandeira Nacional pela da Monarquia, na Câmara de Lisboa, parece que existe a vontade de a devolver. Resta ver as penas apanharão os prevaricadores
Movimento 31 da Armada quer devolver bandeira à Câmara de Lisboa
r às 18:04

 

A pretexto dos 4 anos de governação e sob o título “ Uma escolha decisiva” José Sócrates, escreve um artigo, com grande carga ideológica, no Jornal de Notícias de hoje (11 de Agosto de 2009), para o qual sublinho a importância da sua leitura.
 
Aqui fica a peça.
 
A atitude na governação, o investimento público e as políticas sociais constituem os três pontos fundamentais que separam o PS da direita - considera o líder socialista em artigo de opinião hoje publicado no Jornal de Notícias.
 
Sob o título "Uma escolha decisiva", José Sócrates inicia o seu longo artigo no JN referindo a existência de uma "velha lógica de coligação negativa, em que forças políticas de sinal contrário, como a direita conservadora e a esquerda radical, convergem no objectivo comum de atacar o PS e dizer mal de tudo o que se tenta fazer para melhorar o país".
 
No entanto, no desenvolvimento do artigo, o secretário-geral do PS centra a sua crítica na direita, apelando a que "não haja ilusões: para Portugal, a alternativa real é entre o PS ser chamado de novo a formar Governo ou regressar a um Governo de direita. Por isso, os que querem um PS fraco e vencido, digam o que disserem, preferem de facto a direita no poder".
 
José Sócrates afirma que "enquanto o PS lança as ideias políticas que marcam o debate, na direita reina o vazio: não tem ideias nem alternativa para apresentar e, mais grave ainda, tenta agora esconder dos eleitores as ideias que antes apresentou e defendeu, como as que contestaram o aumento do salário mínimo ou as que poriam em causa a universalidade e tendencial gratuitidade do Serviço Nacional de Saúde, bem como a própria matriz pública do nosso sistema de segurança social, que garante as pensões e as reformas dos portugueses".
 
A escolha decisiva nas próximas legislativas, segundo José Sócrates, deverá ser feita em três questões que considera fundamentais.
  
r às 11:36

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
14
15

16
19
22

23
27
29

30
31


ARQUIVO
pesquisar
 
subscrever feeds